Qual é o perfil profissional que as grandes empresas procuram?

Qual é o perfil profissional que as grandes empresas procuram?

A competitividade está entre as principais características do mercado atual. São muitos os candidatos se qualificando e montando bons currículos todos os anos, portanto, para se destacar em meio à concorrência, é fundamental conhecer o perfil profissional que as empresas procuram. Diferentemente de alguns anos atrás, concluir uma graduação não é mais garantia de boas colocações. As organizações querem colaboradores cada vez mais especializados e multifuncionais, preparados para suprir as suas demandas.

E você já sabe quais competências e habilidades compõe o perfil profissional mais valorizado pelas empresas? Então, conheça-as agora mesmo!

Proatividade

Uma das habilidades que compõe um perfil profissional valorizado é a proatividade. O colaborador deve ter iniciativa, sabendo agregar — tanto com ideias quanto com ações — aos processos de trabalho e ao desenvolvimento da empresa. Além disso, é preciso identificar e concluir as atividades a serem desenvolvidas, sem precisar da solicitação dos gestores.

Tenha em mente que, no mundo corporativo, ser proativo quer dizer trazer soluções. Em outras palavras, trata-se de um comportamento de antecipação e responsabilidade, permitindo que o indivíduo consiga enxergar além da situação. O melhor de tudo é que essa é uma competência que pode ser desenvolvida, especialmente em cursos de especialização focados para a atuação no mercado.

Produtividade

Quando falamos em produtividade, não queremos dizer fazer o trabalho de forma rápida para gerar mais entregas no quesito quantidade. Na verdade, muito mais do que apenas quantidade, ser produtivo envolve fazer as tarefas com qualidade. Essa é uma característica muito importante para as empresas, pois gera economia de recursos financeiros, diminuição das taxas de retrabalhos, otimização dos processos, entre outras vantagens.

Especialização

A busca pelo conhecimento é algo cada vez mais reconhecido nos dias de hoje. Nesse sentido, aqueles candidatos que investem em uma especialização e procuram sempre se atualizar quanto às tendências e novidades da área, se mantém em uma posição de destaque perante a concorrência. Isso porque o profissional especializado está mais preparado para exercer suas funções com excelência, considerando o ritmo do mercado atual.

Por outro lado, aquele que não se mostra interessado em adquirir conhecimentos e se especializar pode acabar passando a impressão de ser alguém estagnado, que não quer crescer na carreira. Isso diminui também as suas chances de empregabilidade.

Capacidade de trabalhar em equipe

Essa habilidade é fundamental para todas as posições e funciona como peça-chave para o andamento das organizações. Afinal, os processos de trabalho são como uma engrenagem para o cumprimento de um mesmo objetivo. Mesmo que você tenha autonomia para desenvolver as suas funções, sempre será preciso contar com o auxílio ou aprovação de alguém, ou seja, agir em conjunto.

Tudo isso também implica estar apto a manter um bom relacionamento interpessoal com todos. Um profissional que quer apresentar bom desempenho deve saber cooperar com seus colegas, se colocando no lugar do outro e valorizando não apenas o individual, mas, sim, o conjunto das atividades realizadas.

Inteligência emocional

Você já sabe o que é inteligência emocional? Trata-se da habilidade de gerenciar as próprias emoções e lidar com situações adversas, de modo a atenuar os níveis de estresse e reconhecer que os momentos de dificuldade são passageiros. Independentemente da área de atuação do profissional, esse é um atributo que as empresas valorizam muito.

Como mencionado anteriormente, o ritmo competitivo do mercado, bem como as mudanças nos processos de trabalho, podem fazer do ambiente corporativo algo estressante. Sobretudo, para os profissionais que  apresentam certa dificuldade na gestão de seus sentimentos e emoções.

Ficar abalado depois de uma conversa ou até mesmo devido ao mau humor do colega são aspectos comuns, mas que se tornam obstáculos quando ocorrem com frequência — interferindo até mesmo na produtividade. Outro exemplo é quando o profissional deve lidar com uma meta desafiadora e, a todo momento, é tomado por pensamentos como “não vou conseguir”. Alguém emocionalmente inteligente, nessa situação, em vez de perder energia, agiria de modo a superar os momentos de dificuldade.

Compatibilidade com os valores da empresa

Um dos principais critérios considerados pelas empresas é a compatibilidade do colaborador com sua missão e objetivos. Profissionais que não entendem o propósito da organização dificilmente conseguirão desenvolver trabalhos satisfatórios ou se comunicar com o público-alvo do negócio da melhor forma possível.

Embora esse não seja um segredo, é interessante ressaltar que o setor de Recursos Humanos treina os recrutadores para avaliar até mesmo as redes sociais dos candidatos. Com isso, eles buscam entender como é o comportamento do profissional e que tipos de pensamentos ele costuma compartilhar fora de um ambiente de trabalho.

Flexibilidade

A flexibilidade representa a capacidade de se adaptar a novas realidades, mostrando-se sempre disposto e pronto para encarar situações diversas que podem acontecer nas empresas. Algumas delas são: prazos modificados, alterações em projetos que estão em andamento etc.

Para ser flexível, o profissional também deve ter autoconfiança, a fim de assumir riscos e deixar para trás conceitos antigos. Caso contrário, pode causar conflitos e até mesmo não progredir em sua carreira, já que se tornará resistente a mudanças positivas.

Facilidade em tomar decisões

O poder de tomar decisões acertadas de forma ágil é outra habilidade valorizada pelas empresas. Nesse sentido, os colaboradores mais desejados tendem a ser aqueles que conseguem analisar bem as opções, os riscos e as probabilidades que cercam as suas atitudes. Como consequência, os resultados de suas ações são bastante positivos e seguros.

Aqueles que contam com essa competência sabem, também, que a indecisão e a procrastinação são fatores extremamente prejudiciais para o funcionamento dos negócios. Afinal, eles impedem a superação de desafios e conquistas dos objetivos desejados.

Como foi possível perceber, em meio aos altos níveis de competitividade e exigência do mercado, desenvolver um bom perfil profissional se torna algo fundamental para conquistar boas posições. Desse modo, para enriquecer o seu currículo, se preparar de forma completa e suprir as demandas das empresas, ingressar em uma pós-graduação é certamente um dos passos mais importantes rumo a uma carreira de sucesso.

Gostou de conhecer mais sobre o perfil profissional que as empresas procuram? Para fazer com que seus amigos também tenham acesso às dicas deste artigo, compartilhe-o agora mesmo nas suas redes sociais!

Deixe uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *