O Custo da Pandemia para a Saúde

O Custo da Pandemia para a Saúde

Custo dos leitos, Equipamentos e EPIs

Segundo estudos efetuados na Unicamp em dezembro de 2020, um leito de UTI custa aproximadamente entre R$ 2,5 mil a R$ 3 mil por dia, a implantação deste mesmo leito custa aproximadamente R$ 180 mil.

Se abrirmos em torno de 30 leitos estes custaram em torno de R$ 75 mil por dia ou R$ 2,3 milhões por mês.

Atualmente, cada teste PCR para Corona vírus, custa cerca de R$ 70,00. Se temos por exemplo uma meta de realizar 180 mil testes em dois meses, isso daria um custo total em torno de R$ 12,6 milhões.

Outro custo não lembrado muitas vezes, são o custo diário com equipamentos de proteção individual usados pelos profissionais da saúde. Num Hospital preparado para liberar até 200 leitos exclusivos para pacientes com Covid-19, neste caso similar, para atender a essa demanda, serão necessários, por dia:

6.000 máscaras cirúrgicas de três camadas, o que resulta num custo de R$ 18 mil.

600 máscaras N95, que custam R$ 3,7 mil.

5.000 aventais TNT, que custam R$ 8,5 mil.

1.000 aventais bilaminados, que custam R$ 11 mil.

1.000 toucas, que custam R$ 200,00.

*Não contabilizamos os custos dos medicamentos em cada tratamento e o valor hora/homem dos profissionais envolvidos.

O custo das Vacinas

O Custo de doses de vacinas previstas para 2021 chega a R$ 9,3 bilhões e o Ministério da Saúde afirma que já estão garantidas 354 milhões de aplicações de imunizantes contra a covid-19 para 2021 no país.

Oxford/AstraZeneca: R$ 28 (US$ 5) preço divulgado pela fundação é de US$ 5,25 (R$ 28), o que totaliza R$ 28 milhões, para a vacina do laboratório AstraZeneca e da Universidade de Oxford, na Inglaterra. O vice-presidente de produção e inovação em saúde da Fiocruz, Marco Krieger, segundo acordo firmado entre a Fiocruz e a AstraZeneca, para transferência de tecnologia visando a produção no Brasil e fornecimento de doses ao Ministério da Saúde. A farmacêutica desenvolvedora, AstraZeneca, alega que irá vender as doses a preço de custo para países em desenvolvimento. Os testes finais foram aplicados com uma dose e meia e duas doses.

Sputnik V: menos de R$ 55 (US$ 10) para mercados internacionais segundo o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF), que financia a pesquisa do Instituto Gamaleya, foi publicado no site da Sputnik V informando este valor para a vacina russa em mercados internacionais. Mais barata que outras vacinas mRNA, como Pfizer e Moderna (essas, acima de R$ 100). São necessárias duas doses, então o custo por pessoa é de US$ 20 (R$ 106).

Pfizer/BioNTech: R$ 105 (US$ 19,50) este foi o valor acordado em compromisso de compra firmado em julho pelo governo dos Estados Unidos, segundo a agência Reuters. O valor equivale a US$ 39 para o tratamento, já que ele prevê a aplicação de duas doses para alcançar a imunização. A farmacêutica norte-americana Pfizer e o laboratório alemão BioNTech também assinaram acordo a União Europeia, que segundo a agência Reuters irá pagar menos que os US$ 19,50 por dose acordados pelos Estados Unidos. O preço a ser pago em eventuais negociações com o Brasil ainda não é conhecido.

Moderna: R$ 133 a R$ 197 (US$ 25 a US$ 37) estimativa de valor foi informada pelo CEO da farmacêutica norte-americana Moderna, Stéphane Bancel, em entrevista ao jornal alemão Welt am Sonntag publicada no dia 22 de novembro. O preço foi mencionado ao citar negociação para venda da vacina à União Europeia – segundo a agência Reuters, o acordo tinha previsão de ser firmado nesta quarta-feira.

CoronaVac: R$ 55 (US$ 10,30) a vacina chinesa desenvolvida pelo laboratório Sinovac também não tem preço oficializado. Em compromisso de compra firmado no fim de outubro entre Ministério da Saúde e Sinovac, foi estabelecido o preço por dose de US$ 10,30 – equivalente a R$ 55, na cotação atual.

Análise Crítica

A Análise crítica que devemos fazer é que enquanto são disponibilizados os leitos exclusivos para a COVID19, com a finalidade de que a pandemia não saia do controle, outras tantas vidas perdem a possibilidade de utilização destes mesmos leitos para os tratamentos eletivos ou seja, àqueles procedimentos programados e não considerados de urgência e emergência. Lembramos que procedimento de Emergência, são os casos em que há ameaça iminente à vida, sofrimento intenso ou risco de lesão permanente, havendo necessidade de tratamento médico imediato e os procedimentos de Urgência acontecem em Situações que requer assistência rápida, no menor tempo possível, a fim de evitar complicações e sofrimento.
Para a realidade brasileira, a vacina CoronaVac, produzida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, e a da AstraZeneca/Oxford, que tem a Fundação Oswaldo Cruz como responsável no País, são as de melhor custo-benefício.
As vacinas da Aztrazeneca e a Coronavac podem ser conservadas de 2° C a 8° C, que são as temperaturas que os imunizantes do nosso calendário são mantidos. Do ponto de vista de logística e para nossa realidade, elas têm uma possibilidade maior de conservação, sendo este um fator condicionante para a escolha das vacinas devido a falta de logística na maioria dos Estados e Municípios.

Somente no dia 08 de janeiro, o Ministério da Saúde, que até então apostava no imunizante da Astrazeneca/Oxford, assinou um contrato com o Butantan para adquirir até 100 milhões de doses da Coronavac. De acordo com a pasta, o acordo envolve a compra inicial de 46 milhões de unidades, prevendo a possibilidade de renovação com a aquisição de outras 54 milhões de doses posteriormente.

Conclusão

Ao falarmos dos valores/custos da pandemia, urge-se a necessidade na aquisição das vacinas uma vez que comprovadamente pela ciência, a vacina é a única resposta capaz de acabar com a pandemia e em face dos custos com a mesma não podemos nos esquecer no pior dos custos, o de perder vidas humanas, o de perder o amor de nossas vidas, nossos pais, filhos, do vizinho que muitas vezes nos da mais atenção que um familiar, do colega de trabalho que passou a ser nosso irmão com a convivência, do amigo, irmãos que escolhemos. É um momento para refletir o valor do SUS – na vida de cada brasileiro que esteve internado numa Unidade de terapia intensiva e saiu de lá restabelecido. Ainda nos resta um bom ano de caminhada no convívio com a pandemia e com ela a reestruturação da economia, e sobretudo, resta-nos o debate de todo o aprendizado que esta nos proporcionou em relação aos verdadeiros valores, e termino lembrando parte de uma oração de Chico Xavier: “Que eu continue a acreditar no outro mesmo sabendo de alguns valores tão estranhos que permeiam o mundo” https://www.facebook.com/andreapeixotogestao

Andrea Maria Peixoto em Goiânia, março de 2021.

Fontes: Valores com base na cotação do dólar em 25 de novembro de 2020.
*https://www.cartacapital.com.br/saude/coronavac-e-vacina-de-oxford-tem-melhor-custo-beneficio-para-o-brasil-diz-epidemiologista/*https://www.unicamp.br/unicamp/coronavirus/quanto-custa
*Credito da imagem: https://idec.org.br/sites/default/files/noticias/calculator-euro-banknotes-and-coronavirus-in-europe-picture-id1211345161.jp