Escala AVD: o que é e qual a sua função?

Escala AVD: o que é e qual a sua função?

A Escala AVD (Atividade de Vida Diária) ou Escala Katz (Índice Katz de Atividade Diária) possui o intuito de verificar como o idoso realiza suas atividades básicas do dia-a-dia relacionadas ao seu autocuidado. Com a melhoria da qualidade de vida nos últimos anos, a expectativa de vida dos brasileiros tem tido aumento considerável e segundo o IBGE (2010), a população de idosos pode chegar a 42,2 milhões no Brasil em 2050.

Desse modo, a capacidade funcional torna-se um novo paradigma na saúde do idoso, e na verdade o que está em jogo na velhice é sua autonomia, ou seja, a capacidade de escolher seus próprios desígnios, como resultado entre sua saúde física, saúde mental, independência funcional, integração social, suporte familiar e independência financeira (RAMOS, 2003). As doenças crônicas são fatores que podem comprometer a funcionalidade dos idosos, porém, nem todos ficam limitados e podem levar a vida perfeitamente saudável com suas enfermidades controladas e com boa qualidade de vida (RAMOS et al., 1993).

Para avaliar a capacidade funcional dos idosos uma das ferramentas mais usadas é a Escala AVD ou Índice Katz de Atividade Diária, desenvolvido por SIDNEY KATZ e colaboradores (1965). A Escala AVD é um instrumento muito usado por pesquisadores para avaliar a capacidade funcional para as atividades básicas da vida diária. Dessa forma, o instrumento busca avaliar a capacidade funcional por meio de seis categorias: tomar banho, vestir-se, ir ao banheiro, realizar transferências, continências e alimentação. Em cada resposta o paciente é categorizado como dependente ou independente. A escala de Katz foi traduzida e adaptada à cultura brasileira por Lino et al. (2008).

Originalmente, a Escala AVD possuía três categorias de classificação: independente, dependente parcialmente, e totalmente dependente. Durante os anos a escala sofreu algumas modificações da original (KATZ, et al., 1963). Recentemente, o instituto Hartford Institute for Geriatric Nursing, publicou uma versão do índice original de Katz, classificando os idosos como dependente e independente, com escore de 0 a 6 pontos. Os idosos classificados como: independente, seriam aqueles que teriam um escore de 6 pontos; dependente moderado, aquele que apresenta um escore de 4 pontos e muito dependente, aquele que apresenta um escore igual ou menor de 2 pontos (THE HARDFORD INSTITUTE FOR GERIATRIC NURSING, 1998).

Para a aplicação da Escala AVD são realizados dois momentos: o primeiro, as perguntas são feitas ao idoso; depois, a seu acompanhante. Este procedimento é feito porque há casos em que a percepção do paciente, inclusive sobre si mesmo, está alterada, logo é importante que se tenha o parecer do acompanhante sobre a mesma situação.

É importante ressaltar que, mesmo havendo divergência no que for informado pelo idoso e seu acompanhante, a resposta do idoso é mantida. É importante que o examinador esteja ciente do que é necessário para que determinada atividade seja realizada de forma completa, pois só assim ele poderá verificar se o idoso é ou não dependente, por isso a importância de um profissional qualificado e que tenha formação que o capacite a executar a avaliação corretamente.

No final do teste é calculado o número de itens no qual o idoso foi caracterizado por ter uma condição de dependência. O score total vai de zero a seis. Possuindo score zero, o indivíduo é considerado independente. Neste teste, quanto maior o score, maior é a dependência que o indivíduo possui em outros.