Afecções Neurológicas em Idosos: Alzheimer

Afecções Neurológicas em Idosos: Alzheimer

Segundo dados oficiais dos órgãos de saúde do Brasil, cerca de 11,5% das doenças são de ordem neuropsiquiátrica, sendo os transtornos mentais,as comprometem mais severamente a atividade de vida diária e instrumental destes idosos. As queixas de natureza psíquica, associadas às afecções neuropsiquiátricas, levaram o Ministério da Saúde a divulgar que os problemas de saúde mental têm aumentado de modo expressivo nos últimos tempos

Das afecções mais comuns que os idosos apresentam destacam as demências, comoa Doença de Alzheimer e a Doença de Parkinson. Neste texto em específico, trataremos sobre o a Doença de Alzheimer (DA), popularmente conhecidacomo “Mal de Alzheimer”.

O Mal de Alzheimer é um tipo de demência senil, de declínio cognitivo crescente e irreversível, com múltiplos déficits cognitivos, dos quais é bem expressivo o déficit de memória de curto prazo. Consequentemente, causam impacto negativo na execução das atividades de vida diária, à medida que a doença progride. Desta forma,estes pacientes passam a ter dificuldades para desempenhar tarefas simples, como utilizar utensílios domésticos, vestir-se, cuidar da própria higiene e alimentação. 

A Avaliação Neuropsicológica é primordial para o auxílio no diagnóstico de quadros demenciais, em especial, da DA. Este procedimento realizado por meio de testes/ instrumentos específicos, e de uma avaliação clínica do estado do paciente, bem como do seu histórico de ciclo vital. A Avaliação Neuropsicológica tem o objetivo deanalisar o funcionamento cognitivo e afetivo, e desta forma coletar dados dos potenciais e déficits. Consequentemente, direciona para o prognóstico e intervenções a serem realizadas.

O tratamento da DA é executado com uma equipe profissional multidisciplinar, como: médicos, psicólogos, fonoaudiólogos e outros profissionais na área da saúde.  Por se tratar de uma doença que até o momento não existe uma cura definitiva, os profissionais que atuam diretamente, buscam sempre a melhorqualidadedevidadestesportadores.  São várias as terapêuticas não farmacológicas disponíveis para o tratamento da DA. Destaca-se a Reabilitação Neuropsicológica e também a Musicoterapia. Tais intervenções promovem o melhor aproveitamento das reservas cognitivas, e consequentemente, adequam tais pacientes para um estado mais de maior funcionalidade no ambiente vivente.

A Neuropsicologia é um campo da Psicologia, o qual prioriza as técnicas de Reabilitação Neuropsicológica. A escolhada estratégia de tratamento depende das características de cada paciente em relação a sua condição funcional. (LUCAS; FREITAS; MONTEIRO, 2013; MEDEIROS, 2012; SILVAet al, 2014).

A Doença de Alzheimer até o presente momento não existe uma cura definitiva, mas há tratamento para melhor adequar a condição de saúde. Por isso, ressalta a importância de priorizar o diagnóstico precoce, e as intervenções a serem executadas por profissionais especializados. Ávila (2003) salienta que “quanto mais cedo for feito o diagnóstico de DA e mais cedo o tratamento for iniciado, melhores resultados serão obtidos, pois o paciente poderá manter-se em um nível cognitivo e funcional mais elevado. Isso possibilitará ainda que o paciente permaneça mais tempo independente, evitando inclusive maiores sobrecargas a seus familiares”