O caso MC Kevin e a Perícia Criminal

O caso MC Kevin e a Perícia Criminal

No dia 16 de maio de 2021, na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro faleceu Kevin Nascimento Bueno (23 anos) – o funkeiro  MC Kevin – após cair do quinto andar de um hotel.

De acordo com o laudo da perícia técnica a Polícia Civil concluiu que a morte foi acidental. Ainda segundo o laudo assinado pelo perito Luiz Alberto Moreira Coelho, o quarto onde o acidente ocorreu estava em completa desordem, mas não apresentava sinais de violência ou brigas. No local foram encontradas pela polícia: embalagens de preservativos, camas fora do lugar, roupas íntimas espalhadas pelo quarto, quantidade elevada de toalhas usadas e uma garrafa de champanhe pela metade (no valor de R$1.500,00).

Além disso, a polícia também concluiu que o quarto foi abandonado às pressas uma vez que só foi encontrado um pé de sandália feminina utilizado pela modelo que estava com o MC antes do acidente (que também já havia declarado o fato em seu depoimento) e a TV ainda estava ligada.

Assim como a modelo que foi ouvida, todos os outros depoimentos declararam que houve consumo excessivo de álcool e substâncias ilícitas “[…] É um indicativo de que não era uma pessoa no seu juízo normal, era uma pessoa que estava de certa maneira com alucinações e ele profundamente assustado, preocupado em ser surpreendido durante uma infidelidade conjugal pela sua companheira, ele se apavorou e tentou passar para o andar inferior quando escorregou, caiu e infelizmente morreu” informou Antenor Júnior, diretor da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

O laudo pericial apontou marcas de dedos nos vidros da varanda, mostrando que Kevin escorregou, dois pontos de impactos antes de atingir o local em que o jovem foi encontrado no guarda-corpo da piscina demonstrando que a queda não foi em linha reta além de outros detalhes que permite a identificação da queda como acidente.

Segundo o laudo do exame de necropsia, o funkeiro sofreu 13 fraturas no corpo entre elas no nariz, na mandíbula, nas costelas, hemorragia na cabeça, perfuração no pulmão, rompimento do fígado tendo como causa da morte traumatismo craniano e hemorragia cerebral (até a publicação deste texto não há informações sobre o resultado do teste toxicológico).

Mais uma vez a perícia se mostra vital para elucidação de um caso, principalmente em casos como esse em que ao ser noticiado se cria várias teorias sobre o que poderia ter ocasionado a queda do jovem cantor. O laudo e a investigação realizados por profissionais bem capacitados fez total diferença para que houvesse uma resposta assertiva quanto ao real acontecimento dos fatos.