fbpx

A Farmácia Hospitalar e suas funções

A Farmácia Hospitalar e suas funções

Caracterizando-se como uma célula interna nos hospitais, o objetivo é garantir que medicamentos sejam usados de forma segura e consciente, atendendo às demandas de pacientes racionalmente; é responsável por tarefas como produção, armazenamento, controle e distribuição de medicamentos pelas alas de um hospital, orientando o uso de remédios conforme sua eficiência e custo-benefício.

É de responsabilidade do farmacêutico hospitalar pesquisar e designar corretamente os medicamentos para os pacientes, sendo indispensável que a instituição crie sua própria dinâmica do processo, para que não ocorram erros.

O fornecimento das medicações pode ser realizado de três maneiras: coletiva, individualizada ou unitária. No primeiro formato, a farmácia hospitalar direciona os medicamentos de acordo com os pedidos de toda a unidade, e, apesar de ser uma prática mais simples e demandar menos profissionais, é necessário redobrar a atenção, para que não haja descontrole. No fornecimento individualizado, o médico responsável solicita a dose via prescrição, reduzindo os riscos de extravio e trocas, além de exigir uma equipe maior.

Já no fornecimento de dose unitária, o controle de estoque farmacêutico é bastante rígido. Os remédios também são dispensados pela prescrição médica, no entanto, contêm identificação total do paciente, juntamente com suas necessidades especiais e cuidados personalizados, como a hora correta de cada dose e possíveis alergias.

Afinal, quais são as atribuições desse setor da instituição?

  • Fazer um bom planejamento, com a compra de remédios e outros produtos demandados pela farmácia, juntamente com seu armazenamento e distribuição;
  • Priorizar acima de tudo o uso seguro de medicação, verificando a prescrição dos remédios;
  • Buscar o desenvolvimento e a manipulação de medicamentos sob medida para as exigências de quadros excepcionais de pacientes;
  • Prever e identificar possíveis reações adversas, interações medicamentosas e alergias relacionadas às substâncias prescritas;
  • Estar alinhado às regras estipuladas pela biossegurança na prevenção de infecções e disseminação de patógenos e produtos tóxicos pelo hospital;
  • Realizar um controle de estoque eficiente, determinando também a aquisição de outros insumos exigidos pelo setor, registrando entrada e saída de medicamentos, com foco maior nos controlados e utilizados em cirurgias,
  • Buscar reduzir o desperdício de medicamentos, bem como monitorar a qualidade das medicações, verificando, por exemplo, suas datas de validade.

Informações obtidas através do site https://www.totvs.com/blog/instituicoes-de-saude/farmacia-hospitalar/